• qui. dez 7th, 2023

Bolsonaro foi traído por rede de embaixadores: “boicote”

Imagem: Pedro Ladeira/Folhapress

A rede de diplomatas brasileiros no exterior operou para tentar impedir que o Brasil fosse alvo de boicote durante a gestão de Jair Bolsonaro. Embaixadores do alto escalão do Itamaraty confirmaram que, nos quatro anos do governo, houve uma ação deliberada para evitar marcar reuniões com líderes estrangeiros durante cúpulas que eventualmente Bolsonaro fosse convidado e, assim, reduzir o risco de possíveis crises.

Neste fim de semana, em Hiroshima, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva vai aproveitar a cúpula do G7 para se reunir com os líderes da Alemanha, França, Indonésia, FMI, Índia, Austrália, Vietnã e da ONU, além dos anfitriões japoneses.

No caso de Bolsonaro, a ordem interna no Itamaraty era a de “contenção de danos”. Ou seja, não fazer esforço para pedir encontros com os estrangeiros, quando houvesse um evento no qual vários líderes estariam no mesmo local. E, depois, esses diplomatas alegavam internamente que não tiveram respostas em relação aos pedidos realizados.

Do lado dos estrangeiros, eram raros os pedidos de encontros com Bolsonaro, salvo no caso de governos liderados pela direita. O resultado: um crescente isolamento e condição de pária.

O esquema era diferente em caso de viagens bilaterais, consideradas como mais fáceis de serem controladas e com uma agenda detalhada. Mas, quando o palco era uma cúpula, o temor era de que um sucessão de encontros seria um risco.

Um primeiro alerta surgiu quando, poucas semanas depois da posse em 2019, Bolsonaro viajou para o Fórum Econômico Mundial, em Davos. Naquele momento, o Itamaraty fez uma programação intensa ao então presidente e conseguiu para Bolsonaro o palco central do evento. Num espaço que ele teria 40 minutos para discursar, o brasileiro falou por apenas seis minutos.

Mas o susto maior foi quando, nas reuniões bilaterais, os experientes diplomatas entenderam que a relação de Bolsonaro com os estrangeiros poderia abrir potenciais crises ou, no mínimo, afetar a imagem internacional do Brasil.

Um dos episódios ocorreu com Shinzo Abe, o então-primeiro-ministro japonês. Em Davos, Bolsonaro fez um comentário ao líder asiático considerado como completamente deslocado sobre uma ex-namorada de origem japonesa. Por alguns instantes, a sala ficou em um tenso silêncio, enquanto uma interpretação era feita ao primeiro-ministro. Abe riu, gerando um alívio generalizado entre diplomatas. Mas o episódio foi tido como um sinal amarelo do que poderiam ser os encontros.

Em outras ocasiões, o que chamava a atenção era a falta de assunto entre Bolsonaro e o líder estrangeiro, principalmente quando os encontros não tinham uma agenda definida. Um dos momentos de constrangimento foi ainda o jantar oferecido pelo presidente chinês Xi Jinping ao brasileiro, em 2019. Fontes apontam que os dois praticamente não se falaram durante todo o jantar.

Como resultado, Bolsonaro repetia encontros sempre com os mesmos líderes estrangeiros, sempre que viaja para encontros como a Assembleia Geral da ONU ou outros fóruns.

O isolamento foi de tal dimensão que, em 2021 no G20 em Roma, Bolsonaro se viu diante de líderes com os quais ele sequer trocava impressões sobre a situação internacional.

UOL

By SANTANA

Jornalista/ Bacharel em Ciência Política / Sociólogo/ Gestor em Segurança Pública e Policiamento / Pós graduado em Sociologia e Política de Segurança Pública

Deixe um comentário

Verified by MonsterInsights