Relatório da Fundação palmares sobre acervo encontra atrocidades: “Sexo grupal, sexo para crianças e marxismo. O que menos se falava era sobre cultura negra”

Um “desprezo” à cultura negra. Assim pode ser tratado o acervo de livros da Fundação Palmares, na qual deveria ser priorizado o que for oriundo do preto brasileiro. Conforme apontado em relatório feito pelo novo comando da fundação, que tem Sérgio Camargo à frente, mais da metade do conteúdo no local abordava temas marxistas e continha outras temáticas “absurdas”.

O acervo bibliográfico da Fundação Cultural Palmares, atualmente, é composto por 9.565 títulos, sendo 1.530 folhetos, folders e catálogos (16%) e 8.035 Livros (84%). Este acervo total constitui-se de apenas 46% de temática negra (4.400 títulos) e 54% de temática alheia à negra (5.165 títulos).

Os 46% (4.400 títulos) da temática negra se dividem em 5% (478 títulos) de cunho pedagógico, educacional e cultural dentro da missão institucional e 28% (2678 títulos) de militância política explícita ou divulgação marxista, usando a temática negra como pretexto. Além disso, são 13% (1244 títulos) de catálogos, panfletos e folhetos, mesclando material de militância com informativos e descritivos de eventos e exposições.

Já os 54% alheios à temática estão divididos em 8% temática considerada “claramente marxista” (765 títulos) e 20% de temática geral com viés marxista (1.913 títulos). Tem também 26% de temática geral (2.487 títulos).

Segundo a Fundação Palmares, 54% do acervo, foram encontrados os seguintes temas: Sexualização de crianças; Ideologia de gênero; Pornografia e erotismo; Manuais de guerrilha; Manuais de greve; Manuais de revolução; Bandidolatria; Bizarrias.

O acervo pode ser considerado um “desastre”. O relatório aponta que 5% cumpre a real função da Fundação Palmares. O restante “desvirtua” a missão institucional da Palmares. No tocante ao conteúdo ser adequado, apenas 4% é considerado. Em contrapartida, 54% é “totalmente inadequado”.

Sérgio Camargo já anunciou que irá remover os livros que fogem da abordagem sobre a cultura negra e levam a um direcionamento político, principalmente de esquerda, como os que já contém no acervo bibliográfico.

By SANTANA

SANTANA - Jornalista / Bacharel em Ciência Política / Gestor em Segurança Pública e Policiamento / Pós graduado em Sociologia da Segurança Pública

Deixe um comentário