• ter. mar 5th, 2024

Bia Kicis “esfrega na cara” do congresso o duplo padrão do Judiciário

Bia Kicis “esfrega na cara” do congresso o duplo padrão do Judiciário: ‘Isso é aviltante! Isso precisa parar!’

Nesta sexta-feira, dia 23 de dezembro, ainda repercute nas redes sociais o forte discurso da deputada federal Bia Kicis. Em resumo, na última sessão da Câmara dos Deputados antes do recesso, a parlamentar denunciou o duplo padrão que vem sendo aplicado por diversos setores do Judiciário brasileiro.

Ou seja, que estão punindo pessoas de direita mesmo que suas condutas não sejam crimes. Por outro lado, ao mesmo tempo liberta criminosos condenados, e para isso basta que sejam de esquerda.

“Eu quero dizer que acabei de ler uma notícia que eu considero realmente chocante, embora não seja uma novidade nos últimos tempos. Eu li que a Polícia Federal foi visitar um empresário — não sei se prendeu —, porque chamou um Senador de “gazela saltitante”. Disse Bia Kicis.

Bia Kicis diz que prisão de empresário por chamar Randolfe de gazela é inconstitucional 

Vale destacar, que Bia Kicis deixou claro que nem sabe quem é o empresário, mas que sua prisão é absolutamente inconstitucional. Ou seja, uma prisão por um crime de opinião, que não existe. 

“Isso não existe no ordenamento jurídico brasileiro. Aliás, isso é vedado. A nossa Constituição, inclusive, veda qualquer tipo de censura, como muitos de nós temos sofrido, com páginas derrubadas, com canais de jornalistas, de Deputados, de pessoas do povo, derrubados. Agora temos uma prisão por crime de opinião. E não é a primeira, realmente não é a primeira. Até Deputado já foi preso por isso. Esse tipo de abuso continua a acontecer dia após dia”. Disparou a parlamentar.

Confira: Daniel Silveira expõe covardia dos parlamentares: “Algozes avançam sobre o parlamento”

Por fim, a parlamentar fez um apelo: “Isso não pode continuar. Nós não podemos chamar o Brasil de País democrático, se tivermos convivendo com censura, com prisões ilegais, enquanto pessoas condenadas — sem trânsito em julgado, mas condenadas em primeiro, em segundo grau — são colocadas na rua, são soltas por decisão judicial, e pessoas sem nenhum processo são presas, caladas, censuradas, têm suas contas bancárias bloqueadas.”

By SANTANA

Jornalista/ Bacharel em Ciência Política / Sociólogo/ Gestor em Segurança Pública e Policiamento / Pós graduado em Sociologia e Política de Segurança Pública

Deixe um comentário

Verified by MonsterInsights