• qua. jul 24th, 2024

PMB NOTÍCIAS

Tudo que você precisa saber, agora ao seu alcance.

A aeronave mais cara do mundo é o B-2 Spirit Stealth Bomber

Militar Marie Marie

Indiscutivelmente a aeronave mais distinta do mundo, o B-2 Spirit, é um bombardeiro furtivo pesado de asa voadora. Na verdade, o B-2 é o único bombardeiro furtivo operacional do mundo. E com um custo total do programa de US$ 2,13 bilhões por aeronave, o B-2 também é a aeronave mais cara do mundo.

O Spirit foi projetado durante o clímax do Cold ധąɾ, sob o projeto “Advanced Technology Bomber” do governo Carter, com o objetivo de penetrar nas defesas aéreas soviéticas cada vez mais sofisticadas e atingir alvos de alto valor. Para contornar as sensíveis e mortais defesas aéreas soviéticas, o B-2 foi projetado em torno da tecnologia furtiva, permitindo que o bombardeiro penetrasse no espaço aéreo contestado, sem ser detectado. O B-2, com sua baixa observabilidade, é capaz de implantar ωεɑρσռs convencionais e termonucleares.

Os custos notáveis ​​do programa eram palatáveis ​​durante o inverno frio, quando o B-2 foi projetado e encomendado pela primeira vez. Inicialmente, esperava-se a construção de 132 bombardeiros, dando aos EUA amplos recursos para penetrar no espaço aéreo soviético. No entanto, a queda da União Soviética – que ocorreu apenas dois anos após o primeiro vôo do B-2 em 1989 e mais de meia década antes da introdução do B-2 em 1997 – deixou o B-2 sem seu objetivo principal.

Durante o discurso do Estado da União de 1992, o presidente George HW Bush anunciou que a produção do B-2 seria reduzida para apenas 20 aeronaves – menos de um sexto da projeção original de 132 aeronaves. Com a conclusão do Cold ധąɾ, os contribuintes – e o Congresso – não estavam mais dispostos a cobrir a conta de um amplo programa B-2. Na verdade, o custo dos B-2s era tão exorbitante que eles se tornaram uma espécie de controvérsia pública.

O Escritório de Contabilidade Geral do Congresso (GAO) declarou em 1996 que o B-2 “será, de longe, o bombardeiro mais caro para operar por aeronave”. O B-2 custaria três vezes mais que o B-1 e mais de quatro vezes mais que o B-52. Outras questões de despesas compostas foram os requisitos de manutenção do B-2. Para cada hora de voo, o B-2 exigia 119 horas de manutenção. Em comparação, o B-1 precisava de 60 horas, enquanto o B-52 exigia apenas 53. Os custos do B-2 aumentaram ainda mais com a necessidade de hangares especializados, que eram grandes o suficiente para acomodar a envergadura de 172 pés do B-2 e podiam ser mantido frio o suficiente para acomodar a “pele” furtiva sensível ao calor do B-2.

By SANTANA

Jornalista/ Bacharel em Ciência Política / Sociólogo/ Gestor em Segurança Pública e Policiamento / Pós graduado em Sociologia e Política de Segurança Pública

Deixe um comentário

Verified by MonsterInsights