Milhares marcham para dizer “não” à ideologia de gênero em Porto Rico

Grupos pró-vidas e pessoas contrárias à ideologia caminharam pelas ruas da capital San Juan.

FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO ACI

Dezenas de milhares de pessoas fizeram uma manifestação nos arredores do Capitólio de Porto Rico e marcharam pelas ruas da capital no sábado (14), contra o “currículo de perspectiva de gênero” anunciado pelo governador Pedro Pierluisi Urrutia.

A marcha foi organizada depois que Pierluisi emitiu um decreto que busca implementar, nos colégios públicos, uma versão atualizada do “currículo de Perspectiva de Gênero”, criado pela administração de Alejandro García Padilla e já rejeitado pelo povo de Porto Rico em protestos no ano de 2015.

Mario Rosario, presidente da Coalizão Pró-vida e Família, organizador da marcha do dia 14 de agosto, disse à ACI Prensa, que houve “uma unidade espetacular entre protestantes, católicos e pessoas não religiosas abraçando a família e a infância”.

“Estamos contentes porque acreditamos que o objetivo foi alcançado: que a nossa voz seja ouvida para que se elimine a palavra ‘gênero’ de toda proposta de educação para nossas crianças e de todo esforço político que se busque implantar”, acrescentou.

O líder pró-família informou que os manifestantes começaram a chegar às 8h da manhã (hora local) ao Capitólio, localizado na capital San Juan. Também disse que havia entre 25 e 30 mil pessoas presentes já nas primeiras duas horas.

Às 10h da manhã, líderes religiosos e leigos fizeram um discurso prévio em um palco, ao início da manifestação. Entre eles estiveram: o politólogo argentino Agustín Laje; o bispo de Arecibo, dom Daniel Fernández Torre; o representante da Fraternidade Pentecostal de Porto Rico (FRAPE), Ricardo López; a psicóloga e pastora, Angie González; a porta-voz de Mujeres por Puerto Rico, Claribel Maldonado; a porta-voz de Alerta Puerto Rico, Tamoa Vivas; entre outros.

Após os discursos, milhares de manifestantes caminharam pacificamente até a Fortaleza, atual residência oficial do governador de Porto Rico, localizada a uns 5 quilômetros do Capitólio.

‘Expressão do povo’

Angie González, psicóloga e membro da Junta de Diretores da Coalizão Pró-Vida y Família, disse à ACI Prensa que “a marcha de hoje foi a expressão de um povo indignado diante do governo ditatorial do governador Pedro Pierluisi”.

“Na última década, em Porto Rico, vimos que os governantes adotaram de um estilo totalitário. A marcha de hoje representa o levantamento de um povo que não está disposto a permitir que seus direitos sejam violados e, sobretudo, o compromisso de milhares de pais e avós que não vamos entregar nossos filhos à ideologia de gênero”, garantiu.

 “O ensino da ideologia de gênero violenta nossa Constituição, violenta os direitos parentais e afeta o desenvolvimento psicossexual das crianças”, explicou.

Milhares em defesa da família tradicional ocupam as ruas da capital San Juan. (Foto: Reprodução / Twitter)

A psicóloga informou que, no sábado 14, também “foram entregues mais de 129 mil assinaturas recolhidas nas últimas cinco semanas contra o ensino da ideologia de gênero nas escolas públicas do país”.

Não obstante, lamentou que o “governador Pierluisi não esteve presente para escutar nossas reivindicações, apesar de que ele havia sido comunicado, na semana passada, sobre o nosso interesse em ter uma reunião com ele. Mas ele enviou um assistente da Secretaria de Governo”.

“De qualquer forma, nós, membros da Coalizão Pró-Vida e Família, entregamos nossas propostas ao assistente que nos recebeu e pedimos que ele comunicasse ao governador que queremos nos encontrar pessoalmente com ele”, disse González.

Valores

Para a psicóloga, a marcha teve um efeito muito importante.

“Em primeiro lugar, mostra aos nossos governantes o quão numeroso é o povo com valores e quão grande é a rejeição à imposição da ideologia de gênero. Em segundo lugar, permite ao povo ver como a imprensa está vendida a esta ideologia e determinada a invisibilizar nossas reivindicações, porque não houve um só meio de comunicação secular noticiando a marcha. Em terceiro lugar, a marcha aumentou a consciência dos cidadãos, que estão se mobilizando para participar desta luta”, afirmou.

González também disse que, “se não atenderem nossas demandas, continuaremos com as outras estratégias que estamos desenvolvendo”.

“É possível que realizemos outras marchas, porém, mais que nada, continuaremos orientando os cidadãos sobre seus direitos e recorreremos ao poder judicial para apresentar as demandas buscando o cumprimento da Constituição do Estado Livre Associado de Porto Rico, que garante uma educação pública não sectária, e para defender o direito dos pais de criar os seus filhos de acordo com os seus próprios valores”.

O politólogo argentino Agustín Laje também conversou com a ACI Prensa para contar sua experiência no multitudinário evento.

“Apesar do calor, do raio de sol que queimava, do prognóstico de tempestade e da covid, que dissuade muitas pessoas a participar de qualquer evento onde haja muita gente, uma multidão se reuniu na frente dos prédios políticos de San Juan”, comentou.

Ele também afirmou que “os diversos oradores se mostraram combativos, conscientes da relevância da política nesses temas”.

 “Além disso, essa consciência política se manifesta no fato de que católicos e evangélicos puderam compartilhar muito bem tanto a marcha como o próprio cenário. Ali falaram pastores e bispos, além de leigos, tanto católicos como evangélicos. Esse é o tipo de unidade que faz falta para enfrentar as agressões da ideologia de gênero, que põe em perigo as famílias de todos independentemente de suas crenças, que coage liberdades individuais de todos independentemente do templo em que cada um participe”, explicou Laje, que é também magister em filosofia.

Laje também disse que Porto Rico “ainda tem tempo para deter a ideologia de gênero em seu território”.

“Tem gente que acha que essas manifestações não servem pra nada. É mentira. O único que nós temos somos nós mesmos e a possibilidade de manifestar-nos no espaço público para mostrar à classe política que sim, há muitos votos deste lado, e que numa democracia o que a maioria pensa deve ser muito bem escutado”, concluiu.

https://guiame.com.br/gospel/noticias/milhares-marcham-para-dizer-nao-ideologia-de-genero-em-porto-rico.html?fbclid=IwAR1UCUMllUlERVIi_IMHweWj_qKPPg-SEajuS0zz9kTw2DIiu5G5fCoQO80

By SANTANA

SANTANA - Jornalista / Bacharel em Ciência Política / Gestor em Segurança Pública e Policiamento / Pós graduado em Sociologia da Segurança Pública

Deixe um comentário