Chang Wong plantou uma pequena congregação doméstica numa isolada região montanhosa. Após sua prisão, os fiéis seguiram os ensinamentos do pastor de pregar aos perdidos, alcançando milhões de pessoas.
FONTE: GUIAME, COM INFORMAÇÕES DO GOD REPORTS

Chang Wong* era um jovem casado que foi guiado por Deus a plantar uma pequena igreja secreta numa distante região montanhosa da China. Na época, não haviam tantos pastores e o Evangelho não era amplamente conhecido no país comunista.

O jovem pastor se mudou com a família para a região a fim de evangelizar os moradores. Sem transporte, Wong caminhava por horas para pregar e ensinar em cultos secretos.

“Eu passaria longas horas caminhando arduamente por montanhas para chegar a casas para reuniões secretas. Meus ouvintes acreditaram no Espírito Santo de que lhes falei, e tínhamos muitas profecias, vimos muitos sinais e maravilhas, milagres e salvação”, contou Wong ao God Reports.

A congregação de Wong não tinha outros ministros para ajudar no pastoreio, não tinha ministério de louvor e nem mesmo Bíblias. Mas, o pastor discipulou muito bem as pessoas que se converteram a Jesus. Elas amavam a Palavra de Deus e juntavam dinheiro o ano inteiro para comprar um Novo Testamento e depois ainda rasgavam as páginas para repartir a Palavra com aqueles que ainda não tinham condições de ter as Escrituras.

Preso numa cela minúscula, mas livre em Cristo

Quando o filho do pastor tinha quatro anos, Chang começou a ser perseguido e investigado pelo Escritório de Segurança Pública da China, até que um dia ele foi levado para uma prisão, a muitos quilômetros de distância da região montanhosa.

Certo dia na prisão, Wong pediu que os guardas o deixassem “ser um bom cristão” e permitissem que ele se encarregasse de limpar os baldes de dejetos humanos de todas as celas.

Achando que ele era um tolo, os soldados deixaram o pastor fazer a tarefa desagradável e começaram a deixar os baldes a serem limpos em sua cela. Por causa do mau cheiro da minúscula cela de Wong, os guardas não mais ficavam próximos e assim, o pastor pode adorar a Deus sem ser punido, cantando hinos, lembrando dos versículos bíblicos e orando por sua família e congregação.

Apesar da provação de sua fé na prisão, Chang afirmou que se fez de louco para se tornar sábio, citando o apóstolo Paulo: “’Mas foi bom ter a oportunidade de adorar nosso Senhor em particular”.

E assim passou o pastor Wong durante 18 anos, até que certo dia ele foi solto por engano e pode voltar para sua família e sua igreja doméstica.

O líder foi informado que sua congregação “simplesmente sabia” que ele seria solto e que haviam se reunido para lhe ouvir pregar. Ao chegar ao local, uma clareira na montanha, o pastor Wong, que imaginou que iria encontrar sua pequena congregação doméstica, se deparou com uma multidão de pessoas.

“Quem são todas essas pessoas?’ ele perguntou, espantado. “Ora, sua igreja, pastor; eles viajaram muitos quilômetros e muitos dias pelas montanhas, para cumprimentá-lo”, lhe responderam.

“Minha igreja? Mas eu estive fora por anos. Como isso é possível? Éramos poucos quando fui capturado. Quem são seus pastores que alcançaram tantas pessoas?”, perguntou Wong, incrédulo.

E alguém respondeu: “Você é nosso pastor. Temos apenas você para nos pastorear”.

Espantando, Wong disse: “’Eu? Mas já estive na prisão por 18 anos, não estava aqui ”.

“Mas pastor, nós apenas fizemos o que você nos ensinou: alcançamos os perdidos, ensinamos o que você nos ensinou a compartilhar. Para confiar no Espírito Santo e crer em sua ajuda e orar por milagres. Nós somos sua igreja, pastor, por favor, nos ensine mais. Não tememos as autoridades, tememos não seguir as instruções de Deus”, disseram.

*nome alterado por questões de segurança.

https://guiame.com.br/gospel/missoes-acao-social/pastor-preso-durante-18-anos-na-china-encontra-sua-igreja-multiplicada-ao-ser-solto.html?fbclid=IwAR1DrjDQdkTSoKQRDX2fc4jaSsHf6ePRnyLQuE9S2a8zNMiVR1TevUZH-G4

By SANTANA

SANTANA - Jornalista / Bacharel em Ciência Política / Gestor em Segurança Pública e Policiamento / Pós graduado em Sociologia da Segurança Pública

Deixe um comentário