Fachin manda investigar Polícia Civil do RJ por ter descumprir proibição de combate ao crime durante a pandemia

Luiz Edson Fachin determinou ao Ministério Público Federal (MPF) que abra investigação sobre ações da Polícia Civil contra o crime organizado no Rio de Janeiro. A decisão do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) foi tomada a partir de uma ação movida por ONGs e pelo Partido Socialista Brasileiro (PSB).

A Corte tinha determinado a proibição operações policiais, ressalvadas “situações excepcionais”, durante a pandemia da Covid-19.

Na decisão, publicada nessa segunda-feira (16), o ministro Fachin também autorizou que os autores da ação tenham acesso às comunicações das operações policiais e aos relatórios produzidos ao final delas.

Os bandidos controlavam cerca de 1500 favelas na cidade do Rio de Janeiro quando as ações foram realizadas durante a pandemia, informou o Diário do Poder.

O analista político Carlos Dias comentou sobre a decisão de Edson Fachin durante participação no Boletim da Manhã desta terça-feira (17).

“Por que ordenar que um Ministério Público Federal investigue uma Polícia Civil que atuou de maneira planejada contra o crime organizado no estado do Rio de Janeiro que é, depois de São Paulo, a fonte e origem de organizações criminosas de tentáculos internacionais? Nós já avaliamos isso aqui, esses ambientes, essas áreas já não pertencem mais ao solo brasileiro, são governadas por traficantes que recebem ordens e agem de acordo com esquemas internacionais, do crime organizado. Aí vem um ministro do Supremo Tribunal Federal e toma uma medida como essa?”, ressaltou.

https://tercalivre.com.br/fachin-manda-investigar-policia-civil-do-rj-por-ter-descumprir-proibicao-de-combate-ao-crime-durante-a-pandemia/?d=97119982&utm_source=leadlovers&utm_medium=email&utm_campaign=&utm_content=Notcias%20e%20informaes%20deste%20dia%2017%20de%20agosto

By SANTANA

SANTANA - Jornalista / Bacharel em Ciência Política / Gestor em Segurança Pública e Policiamento / Pós graduado em Sociologia da Segurança Pública

Deixe um comentário